Resultados Anuais de 2017

2017: mais um ano de forte crescimento

Forte aceleração nos negócios de transformação digital

Receita recorde de 12,7 bilhões de euros

+10% a taxas de câmbio constantes

+2,3% de crescimento orgânico

Margem operacional: 1,3 bilhões de euros

10% da receita

+18% orgânico

Fluxo de caixa livre: 714 milhões de euros, +25,4%,

mais de 55% da margem operacional

Resultado líquido atribuível ao Grupo: 601 milhões de euros*, +11% em relação a 2016

Maiores objetivos financeiros para 2018, confirmando metas da Ambição 2019

São Paulo, 20 de março de 2018 – A Atos, líder mundial em transformação digital, divulgou os resultados do Ano Fiscal de 2017 e a conquista de todos os seus objetivos anuais.

Thierry Breton, Presidente e CEO da Atos, declarou: “Em 2017 executamos com sucesso o primeiro ano de nosso plano trienal, continuando a transformar profundamente o Grupo. Nossos investimentos significativos em tecnologia criaram um forte impulso para nossos negócios de transformação digital. Graças aos nossos pontos fortes tecnológicos, aos nossos especialistas altamente qualificados e ao sucesso da nossa Fábrica de Transformação Digital, apoiamos nossos clientes em sua transformação digital e fornecemos segurança para seus ambientes de TI. Nesse contexto, alcançamos todos os nossos objetivos financeiros em 2017 e fizemos várias aquisições para fortalecer a presença geográfica e as capacidades digitais da Atos.

A empresa inicia 2018 com um balanço financeiro mais forte e sem endividamento, maior visibilidade com mais de 75% de seu volume de negócios gerado por contratos plurianuais, um perfil tecnológico e um portfólio de ofertas mais fortes do que nunca e, finalmente, uma equipe de liderança mais forte e uma governança operacional aprimorada. Tudo isso nos torna muito confiantes em nossa capacidade de oferecer valor para os nossos clientes e acionistas e de alcançar metas financeiras ainda maiores em 2018, em direção à nossa Ambição 2019.”

As receitas totalizaram 12,691 milhões de euros, +10,1% a taxas de câmbio constantes e +2,3% de crescimento orgânico, impulsionadas principalmente pela Fábrica de Transformação Digital da Atos, responsável por 23% da receita de 2017 (contra 13% em 2016), beneficiando-se da forte demanda de grandes organizações que implementam sua transformação digital.

A margem operacional atingiu 1,292 milhões de euros, representando 10,2% da receita, em comparação com 8,9% em 2016, em perímetro e taxas de câmbio constantes. Essa melhora de +130 pontos base é devida principalmente ao rápido crescimento dos negócios de nuvem híbrida ou privada, sinergias com Equens e Unify e continuação do programa TOP de transformação. Em 2017, o Grupo continuou a implementar o seu plano de otimização de aposentadorias, que se traduziu em um resultado positivo, não recorrente, de 28 milhões de euros, contra 41 milhões de euros em 2016. Excluindo esses efeitos, a rentabilidade do Grupo aumentou +140 pontos base, para 10,0% em 2017.

O dinamismo comercial do Grupo foi particularmente elevado em 2017 com a entrada de pedidos atingindo 13,9 bilhões de euros, um aumento de +6,8% em comparação com 13,0 bilhões de euros em 2016. Isso representou uma relação de pedidos recebidos/faturados de 110% em 2017, dos quais 123% durante o quarto trimestre. O total da carteira de pedidos aumentou em +6,0% na comparação anual, para 22,7 bilhões de euros no final de 2017, representando 1,8 anos de receita. A quantidade total ponderada de propostas comerciais atingiu 7,4 bilhões de euros, um forte aumento de +14,7% em comparação com 6,5 bilhões de euros publicados no final de 2016.

O lucro líquido foi de 665 milhões de euros, +14,5% em relação a 2016, excluindo o ganho na venda da participação da Worldline na Visa Europe para a Visa Inc., por 51 milhões de euros. O resultado líquido atribuído ao Grupo atingiu 601 milhões de euros, +10,7% em relação a 2016, excluindo a participação na Visa. Assim, o lucro básico por ação atribuível ao Grupo foi de 5,72 euros, +9,3% em relação a 2016 (excluindo a participação na Visa) e o lucro por ação normalizado atribuível ao Grupo foi de 8,24 euros, +9,3% em relação a 2016.

O fluxo de caixa livre ascendeu a 714 milhões de euros em 2017, um aumento de 25,4% em relação a 569 milhões de euros em 2016, refletindo uma forte melhora na taxa de conversão da margem operacional para fluxo de caixa livre para 55,3% em 2017, 56,5% excluindo os efeitos não recorrentes da otimização dos planos de aposentadoria. A posição de caixa líquido foi de 307 milhões de euros no final de 2017, amplamente estável em relação a 329 milhões de euros no final de 2016, considerando os valores pagos durante o ano pelas aquisições e dividendos.

Objetivos para 2018

Em 2018, levando em consideração os efeitos da norma IFRS 15, o Grupo tem metas ambiciosas para os seus três principais critérios financeiros, de acordo com seu plano Ambição 2019:

Crescimento orgânico da Receita: +2% a +3%.

Margem operacional: entre 10,5% e 11% da receita.

Fluxo de caixa livre: cerca de 60% da margem operacional.

 

 

IDM (Infrastructure & Data Management): acelerando a transição para a nuvem híbrida e integrando a Unify, levando à melhoria da lucratividade

A receita da Divisão de Infrastructure & Data Management foi de 7,144 milhões de euros, alta de +0,9%, em perímetro e taxas de câmbio constantes, com um crescimento significativo em áreas estratégicas, como Serviços de Nuvem e Serviços de Transformação de Tecnologia. De fato, o crescimento acelerou com os novos contratos da Fábrica de Transformação Digital conquistados em várias áreas geográficas, enquanto a Divisão continuou a transformar com sucesso o ambiente de TI de seus principais clientes e a implantar a automação e robotização. Em particular, Canopy Orchestrated Hybrid Cloud mostrou um forte crescimento, enquanto Digital Workplace e SAP HANA também foram impulsionados por contratos na Ásia-Pacífico e Europa Central & Oriental, respectivamente.

O crescimento deu-se principalmente no Setor Público e de Saúde, particularmente na América do Norte e na França. Os Serviços Financeiros se beneficiaram do aumento de novos contratos no Reino Unido, Holanda, França e Ásia-Pacífico. O mercado da Indústria de Varejo & Transportes manteve-se estável devido ao aumento dos volumes com o Royal Mail Group, no Reino Unido, e o aumento de novos contratos na Alemanha, América do Norte, França, Benelux e Países Nórdicos, que compensaram os volumes menores de Comunicações Unificadas & Colaboração (anteriormente Unify S&P), que impactaram principalmente a Alemanha e a América do Norte. Telecomunicações, Mídia & Serviços Públicos foram impactados pela reinternalização de partes do contrato da BBC quando de sua renovação no segundo trimestre e redução no escopo de negócios com alguns clientes na América do Norte.

Durante o quarto trimestre de 2017, a receita da Infrastructure & Data Management cresceu +0,8%.

A margem operacional foi de 752 milhões de euros, representando 10,5% da receita, em comparação com 9,6% em 2016, em perímetro e taxas de câmbio constantes. Essa melhoria de +90 pontos base (+100 pontos base excluídos os efeitos não recorrentes das aposentadorias) veio da migração para infraestruturas baseadas em nuvem e produção mais automatizada e robótica em ambientes mais industrializados. A melhoria da margem operacional se materializou na maioria das áreas geográficas e também foi liderada pelo aumento da receita, combinado com o contínuo e rigoroso controle de custos e a forte gestão de projetos, levando a uma maior eficiência da produção. Além disso, a Divisão se beneficiou de sinergias de custos com Comunicações Unificadas & Colaboração.

B&PS (Business & Platform Solutions): melhoria contínua da receita e forte aumento da margem

A receita da Divisão Business & Platform Solutions foi de 3,243 milhões de euros, um crescimento orgânico de +2,5%. A aceleração do crescimento veio principalmente do sucesso da Fábrica de Transformação Digital da Atos e, em particular, do Codex na França e na Península Ibérica, SAP HANA na Alemanha, Ásia-Pacífico e vários clientes do Benelux e dos Países Nórdicos; e, em menor medida, do Digital Workplace com vários projetos na França e na Alemanha.

O Setor Público & da Saúde foi o principal impulsionador de crescimento, com os projetos dos Jogos Olímpicos e dos Jogos Asiáticos de Artes Marciais, contribuindo para o crescimento de dois dígitos em “Outras Unidades de Negócio” e para o aumento nos volumes na América do Norte. A atividade no setor de Indústria, Varejo & Transportes também cresceu fortemente devido a novos contratos e ao aumento de volumes na Alemanha e na Europa Central e Oriental. Em Telecomunicações, Mídia & Serviços Públicos, o efeito de base dos grandes projetos de transição entregues no ano passado na Alemanha foi parcialmente compensado pela aceleração dos contratos na Europa Central e Oriental e por novos negócios na Península Ibérica e na América do Sul. O setor de Serviços Financeiros foi impactado por menos projetos, principalmente na França e na Península Ibérica, que não foram totalmente compensados pelo aumento da atividade com o NS&I no Reino Unido.

As vendas da divisão cresceram +2,7% organicamente durante o quarto trimestre de 2017.

A margem operacional foi de 245 milhões de euros, representando 7,6% da receita, uma melhora de +110 pontos base em relação a 2016, em perímetro e taxas de câmbio constantes (+150 pontos base, excluídos os efeitos não recorrentes das aposentadorias). A rentabilidade se beneficiou do crescimento da receita, da implementação do programa de transformação da manutenção de aplicativos e da gestão bem sucedida da mão-de-obra se materializando em uma melhoria na taxa diária média. A Divisão continuou a investir em inovação, principalmente para ofertas de Codex e SAP HANA.

BDS (Big Data & Cybersecurity): crescimento de receita de dois dígitos liderado pela demanda por soluções de Segurança Cibernética e Computação de Alto Desempenho

O crescimento orgânico da receita da Divisão de Big Data & Cybersecurity atingiu +10,9%, em perímetro e taxas de câmbio constantes, chegando a 754 milhões de euros em 2017, graças à expansão dos negócios da Divisão tanto em termos de mercados como de áreas geográficas atendidas. A demanda por serviços de Segurança Cibernética está aumentando para enfrentar ataques cibernéticos cada vez mais sofisticados. A atividade foi particularmente forte com a assinatura de novos projetos com clientes existentes das divisões Infraestrutura & Gerenciamento de Dados e Soluções Empresariais & de Plataformas, como a Xerox na América do Norte, o Departamento de Energia e Mudanças Climáticas e a BBC no Reino Unido, bem como a Nokia na Alemanha. A atividade de Computação de Alto Desempenho manteve-se forte para atender às crescentes necessidades de processamento de Big Data dos clientes.

O crescimento orgânico atingiu +5,2% no quarto trimestre de 2017 em Big Data & Segurança Cibernética. A Divisão enfrentou adiamentos de pedidos e entregas de Big Data no setor público francês.

A margem operacional foi de 114 milhões de euros, amplamente estável em relação a 2016, em perímetro e taxas de câmbio constantes, representando 15,2% da receita. A Divisão continuou a registar um crescimento significativo ao investir em soluções e produtos inovadores e expandir sua presença internacional em áreas como a América do Norte, Oriente Médio, África e Alemanha.

Worldline: integração rápida das aquisições gerando um forte aumento da rentabilidade

Do ponto de vista contributivo para a Atos, a receita da Worldline foi de 1,550 milhões de euros, um crescimento orgânico de +4,3%:

  • A receita de Processamento Financeiro cresceu +6,6% organicamente, atingindo 705 milhões de euros, impulsionada pelo aumento de volumes e de projetos em todos os negócios: processamento de Emissões, processamento de Aquisições, Banco Digital e Pagamentos de Contas.
  • A receita de Serviços Comerciais cresceu +5,4% organicamente para 531 milhões de euros, impulsionada por tendências positivas de negócios após a desmonetização na Índia, maiores volumes de Serviços Comerciais de Aquisição e serviços de Private Label Cards & Loyalty na Espanha.
  • A receita de Serviços Móveis & Transações Eletrônicas foi de 314 milhões de euros, uma queda de -2,0%. As atividades online como Trusted Digitization, e-Ticketing bem como e-Consumer & Mobility, atenuaram o efeito da rescisão do contrato Radar na França que afetou o crescimento da Worldline no primeiro semestre do ano. Excluindo esse efeito, o crescimento de Serviços Móveis & Transações Eletrônicas teria sido superior a +9% em

Durante o quarto trimestre de 2017, a Worldline cresceu +6,2% organicamente.

A margem operacional contributiva foi de 253 milhões de euros, ou 16,3% da receita, um aumento de +310 pontos base em relação a 2016, em perímetro e taxas de câmbio constantes. Essa forte melhoria foi alcançada principalmente devido ao crescimento do volume de transações, às sinergias na área adquirida e ao controle rigoroso de custos. A Divisão registou lucro não recorrente de 7 milhões de euros nas aposentadorias durante o primeiro semestre; excluindo esse efeito, a margem operacional da Divisão melhorou +270 pontos base.

Uma apresentação detalhada do desempenho da Worldline em 2017 encontra-se disponível em worldline.com, na seção de investidores.

Desempenho de 2017 por Unidade de Negócio

 

O Grupo registrou um crescimento orgânico da receita de +2,3% e melhorou sua taxa de margem operacional em +130 pontos base em 2017.

Quase todas as Unidades de Negócio cresceram organicamente:

  • A Alemanha cresceu +1,6% com uma aceleração constante ao longo do ano, impulsionada por novos contratos em Soluções Empresariais & de Plataformas, bem como em Big Data & Segurança Cibernética, enquanto a Infraestrutura & Gerenciamento de Dados foi impactada pela evolução da receita da Unify;
  • A América do Norte cresceu +1,1%, beneficiando-se da migração de vários grandes clientes para a nuvem híbrida e o ambiente de trabalho digital, bem como da sua diversificação progressiva em Big Data & Segurança Cibernética e Soluções Empresariais & de Plataformas. A Unidade de Negócios também foi impactada ao longo do ano pela Unify;
  • O crescimento orgânico da França atingiu +0,7%, impulsionado pela aceleração dos contratos de Infraestrutura & Gerenciamento de Dados, em particular para a nuvem híbrida orquestrada;
  • O Reino Unido e a Irlanda cresceram +1,2% com base em novos negócios da Fábrica de Transformação Digital da Atos e no forte dinamismo das vendas de Big Data & Segurança Cibernética;
  • Benelux & Países Nórdicos, encerrou o ano em -0,8%, uma melhoria significativa em relação ao desempenho registrado no ano anterior (-7,3%), graças à recuperação das atividades de Infraestrutura & Gerenciamento de Dados;
  • “Outras Unidades de Negócio” também contribuiu positivamente para o crescimento da receita do Grupo, graças a uma atividade sustentada na maioria dos países e em todas as divisões;
  • A Worldline continuou a contribuir para o crescimento orgânico do Grupo com +4,3%, impulsionado pelo aumento dos volumes de transações em Serviços Comerciais & Processamento Financeiro ao longo do ano.

Os custos das Estruturas Globais atingiram -79 milhões de euros, uma diminuição de 17 milhões de euros em relação ao ano anterior, em perímetro e taxas de câmbio constantes, refletindo os esforços em andamento para otimizar custos e um melhor monitoramento de compras e custos imobiliários.

A margem operacional do Grupo melhorou em +130 pontos base (+140, excluindo o efeito não recorrente vinculado à otimização dos planos de aposentadoria), liderada pelo rápido crescimento dos negócios de nuvem híbrida ou privada, sinergias com Equens e Unify e a execução contínua do programa TOP de transformação. Todas as Unidades de Negócio melhoraram sua taxa de margem operacional, exceto o Reino Unido, devido à reinternalização de parte do contrato da BBC, conforme mencionado acima, e ao efeito dos planos de aposentadoria. Os efeitos positivos não recorrentes relacionados à otimização dos planos de aposentadoria foram registrados na Worldline em 7 milhões de euros no primeiro semestre e no Reino Unido em 21 milhões de euros no segundo semestre, portanto, um total de 28 milhões de euros contra 41 milhões de euros em 2016 (apenas no Reino Unido).

Atividade Comercial

O dinamismo comercial do Grupo foi particularmente elevado em 2017, com a entrada de pedidos atingindo 13,9 bilhões de euros, um aumento de +6,8% em comparação com 13,0 bilhões de euros em 2016. Isso representou uma relação de pedidos recebidos/faturados de 110% em 2017. Esse dinamismo se refletiu em todas as Divisões, com Infraestrutura & Gerenciamento de Dados registrando uma relação de pedidos recebidos/faturados de 107% e Soluções Empresariais & de Plataformas registrando 115%. O nível de entrada de pedidos também foi forte em Big Data & Segurança Cibernética, que atingiu 125%. A Worldline atingiu 104%.

A relação de pedidos recebidos/faturados atingiu 123% durante o quarto trimestre de 2017. Vários contratos foram conquistados com novos clientes, tais como a Aviva no Reino Unido e a Henkel na Alemanha em Infraestrutura & Gerenciamento de Dados, e um grande fabricante de automóveis na França em Soluções Empresariais & de Plataformas. O grupo também renovou alguns contratos significativos, como a Disney na América do Norte, o Bundesagentur für Arbeit na Alemanha e a Euronext na França.

Em linha com a dinâmica da atividade comercial, o total da carteira de pedidos aumentou em +6,0% na comparação anual para 22,7 bilhões de euros no final de 2017, representando 1,8 anos de receita. A quantidade total ponderada de propostas comerciais atingiu 7,4 bilhões de euros, um forte aumento de +14,7% em relação aos 6,5 bilhões de euros publicados no final de 2016, representando 7 meses de receita.

Resultado Operacional e Lucro Líquido

O resultado operacional atingiu 875 milhões de euros em 2017, +5,8% em relação a 2016, dados os seguintes itens:

Os custos de reorganização, racionalização e integração de pessoal totalizaram -163 milhões de euros e representaram 1,3% da receita, no mesmo nível de 2016 e em linha com o objetivo de 1% da receita do Grupo mais o custo planejado para gerar sinergias com a Equens.

A Amortização da Alocação do Preço de Compra das empresas adquiridas representou -109 milhões de euros em comparação a -106 milhões de euros em 2016. A amortização dos planos de remuneração baseados em ações totalizou -86 milhões de euros, em comparação com -50 milhões de euros em 2016.

Outros itens totalizaram -59 milhões de euros em comparação a -27 milhões de euros em 2016, excluindo a venda da participação na Visa. No segundo semestre de 2017, na sequência da aceleração de ataques cibernéticos significativos, como WannaCry e NotPetya, e para acelerar a implementação da Regulamentação Geral de Proteção de Dados (GDPR), o Grupo implementou programas específicos para reforçar suas habilidades e ofertas. O Grupo também decidiu resolver definitivamente vários litígios de longa data.

O resultado financeiro líquido foi de -62 milhões de euros, contra -55 milhões de euros em 2016, incluindo os custos das aposentadorias e os dois títulos emitidos em meados de 2015 e em outubro de 2016. A despesa total com impostos foi de -149 milhões de euros, representando uma taxa de imposto efetiva de 18,3%, estável em relação a 2016.

Como resultado, o lucro líquido foi de 665 milhões de euros, um aumento de +14,5% em relação a 2016, excluindo o ganho não recorrente da venda da participação na Visa. Os interesses não controladores totalizaram 64 milhões de euros e foram relacionados aos acionistas minoritários na Worldline. Assim, o resultado líquido atribuído ao Grupo atingiu 601 milhões de euros, +10,6% em relação a 2016, excluindo a participação na Visa.

O lucro básico por ação atribuível ao Grupo foi de 5,72 euros, +9,3% em relação a 2016, excluindo a participação na Visa, e o lucro diluído por ação atribuível ao Grupo foi de 5,70 euros, +9,4% em relação a 2016, excluindo a participação na Visa. O lucro por ação normalizado atribuível ao Grupo foi de 8,24 euros, +9,3% em relação a 2016.

Fluxo de Caixa Livre

A Margem Operacional antes da Depreciação e Amortização (OMDA) foi de 1,608 milhões de euros, representando 12,7% da receita, contra 11,1% em 2016.

Conforme planejado, o total de desembolsos para reorganização, racionalização e integração da força de trabalho foi de -157 milhões de euros em comparação com -150 milhões de euros em 2016, em linha com o objetivo de 1% da receita do Grupo mais o custo planejado para gerar sinergias com a Equens.

Em 2017, as despesas de capital totalizaram 526 milhões de euros, representando 4,1% da receita, contra 456 milhões em 2016 (3,7% da receita), refletindo os investimentos realizados em arquitetura em nuvem e em plataformas de pagamento como parte das aquisições feitas pela Worldline. A mudança no capital de giro foi de     -25 milhões de euros, em linha com o aumento dos negócios, particularmente no setor público.

O imposto pago foi de -133 milhões de euros, contra -131 milhões de euros in 2016 e o desembolso de encargos financeiros foi de -24 milhões de euros (-20 milhões de euros em 2016). Finalmente, outros itens totalizaram    -30 milhões de euros, contra -40 milhões de euros em 2016.

Como resultado, o fluxo de caixa livre atingiu 714 milhões de euros em 2017, um aumento de +25,4% contra 569 milhões de euros em 2016, materializando a melhoria contínua da taxa de conversão da margem operacional em fluxo de caixa livre, atingindo 55,3% em 2017 (comparado com 50,8% em 2016) e 56,5% excluindo os efeitos relacionados aos planos de aposentadoria.

Evolução do caixa líquido

As aquisições e alienações líquidas totalizaram 403 milhões de euros em 2017, relacionadas principalmente às aquisições realizadas pela Worldline, como First Data Baltics, MRL Postnet, DRWP, e as três empresas de consultoria do setor da saúde adquiridas nos EUA.

O aumento de capital, principalmente relacionado aos rendimentos do plano de participação acionária dos funcionários, totalizou +38 milhões de euros em 2017, contra +28 milhões em 2016. Em 2017, o Grupo realizou um programa de recompra de ações por 59 milhões de euros.

O pagamento de dividendos sobre os resultados de 2016 foi de -168 milhões de euros, em comparação com -47 milhões de euros no ano anterior, em linha com o aumento do valor do dividendo por ação e o pagamento total em dinheiro.

Finalmente, principalmente devido ao aumento do euro em relação ao dólar norte-americano, o efeito da variação cambial sobre a dívida ou o caixa em moeda estrangeira totalizou -144 milhões de euros, contra +6 milhões de euros em 2016.

Como resultado, a posição do caixa líquido do Grupo no final de 2017 foi de 307 milhões de euros, amplamente estável em comparação com 329 milhões de euros no final de 2016.

Recursos humanos

O número total de funcionários foi de 97.267 no final de 2017, em comparação com 100.096 no final de 2016. Excluindo o efeito das empresas adquiridas em 2017 (cerca de 1.100 funcionários), isso representa uma queda de     -3,9% em relação ao final de 2016 e reflete a política de contratação do Grupo, que está mais focada nas habilidades de transformação digital e antecipa a implementação da automação. O Grupo prosseguiu com programas de treinamento para transformação digital e aumento das habilidades de suas equipes.

A taxa de desligamento permaneceu estável em 11,7% no âmbito do Grupo e 17,8% nos países do exterior.

IFRS 15

No total, o Grupo confirma um efeito de IFRS de cerca de -5% na receita de 2017 e cerca de +50 pontos base em relação à sua taxa de margem operacional. Obviamente, isso não altera a margem operacional e os montantes do fluxo de caixa livre.

Dividendo

Na reunião realizada em 20 de fevereiro de 2018, o Conselho de Administração decidiu propor à próxima Assembleia Geral Ordinária de Acionistas um dividendo em 2018 sobre os resultados de 2017 de 1,70 euros por ação, com a opção de pagamento em ações da Atos SE.

Anexos

As demonstrações financeiras consolidadas e estatutárias da Atos para o exercício findo em 31 de dezembro de 2017, foram aprovadas pelo Conselho de Administração em 20 de fevereiro de 2018. As demonstrações financeiras consolidadas foram auditadas.

 

A integração de Comunicações Unificadas & Colaboração (11 meses) resultou em uma atualização da receita de 2016 em +420 milhões de euros.

Os efeitos da mudança de perímetro totalizaram +467 milhões de euros para a receita. Isso se deve principalmente à contribuição positiva da Unify Services e Comunicações Unificadas & Colaboração (UCC, anteriormente Unify S&P) (+63 milhões de euro em janeiro de 2016), Anthelio (+133 milhões de euros em 9 meses), Equens, Paysquare, e Komerçni Banka Smartpay (+229 milhões de euros em 9 meses). Os outros efeitos estão relacionados às aquisições da Pursuit Healthcare Advisors, Conduent’s Healthcare Provider Consulting e Conduent’s Breakaway Group, First Data Baltics, Digital River, MRL Posnet, Engage ESM, zData, e Imakumo, por um lado, e à venda da Cheque Service por outro lado.

Os efeitos das variações das taxas de câmbio tiveram um impacto negativo de -195 milhões de euros na receita,  principalmente relacionados à desvalorização da libra esterlina e do dólar norte-americano em relação ao euro.

A integração da UCC resultou em uma atualização da margem operacional do exercício de 2016 de +18 milhões de euros. O impacto das taxas de câmbio foi de -21 milhões de euros e os efeitos da mudança de perímetro totalizaram -2 milhões de euros.

 

 

 Sobre a Atos

A Atos é líder mundial em transformação digital com aproximadamente 100 mil funcionários em 72 países e uma receita anual de cerca de 13 bilhões de euros. Como líder europeu em Big Data, Segurança Cibernética, Computação de Alto Desempenho e Ambiente de Trabalho Digital, o Grupo apoia clientes em todo o mundo com serviços de Nuvem, Infraestrutura & Gerenciamento de Dados, Soluções Empresariais & de Plataformas, além de serviços transacionais por meio da Worldline, líder europeia no setor de pagamentos. Com suas tecnologias de ponta, experiência digital abrangente e profundo conhecimento do setor, a Atos apoia a transformação digital de seus clientes de diversos segmentos do mercado: Defesa, Serviços Financeiros, Saúde, Indústria, Mídia, Energia & Serviços Públicos, Setor Público, Varejo, Telecomunicações e Transporte. O Grupo é o Parceiro Mundial de Tecnologia da Informação dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos e opera sob as marcas Atos, Atos Consulting, Atos Worldgrid, Bull, Canopy, Unify e Worldline. A Atos SE (Societas Europaea) está incluída no índice CAC40 do mercado de ações de Paris. www.atos.net – Siga-nos no  @AtosFR

Contato para a imprensa:

Grupo CDI Comunicação e Marketing

Larissa Baltazar – larissa.baltazar@cdicom.com.br - (11) 3817-7938

Thais Rocha – thais@cdicom.com.br – (11) 3817-7972

William Maia – william.maia@cdicom.com.br– (11) 3817-7927

Everton Vasconcelos – everton@cdicom.com.br - (11) 3817-7947